19 de jul de 2010

prêmio abl de tradução 2010: a controvérsia

prêmio da abl recebe críticas, matéria de guilherme freitas, caderno prosa&verso, jornal o globo, de 17/07/10:
Com entrega marcada para dia 20, o prêmio literário de tradução da Academia Brasileira de Letras tem provocado polêmica entre os profissionais da categoria desde o anúncio, em junho, do vencedor: o pernambucano Milton Lins, pela série em três volumes “Pequenas traduções de grandes poetas”, com versões de originais em inglês, francês e espanhol. Elogiadas pelo júri formado pelos acadêmicos Carlos Nejar, Ivan Junqueira e Evanildo Bechara como “preciosas antologias da melhor poesia que se escreveu na literatura ocidental desde o século XVI”, as obras foram criticadas por tradutores, que apontam erros básicos em diversos textos da série, editada por conta própria por Lins.
Os primeiros protestos vieram da tradutora Denise Bottmann (foto ao lado), autora do blog “Não gosto de plágio” (), que listou uma série de erros básicos de vocabulário, como no poema “Zona”, de Apollinaire, no qual a expressão “les hangars de Port-Aviation” (os hangares [do aeroporto] de Port-Aviation) vira “o hangar de algum Porta-Avião”. Denise criticou também escolhas “infelizes” de Lins, como em “Vénus anadyomène”, de Rimbaud, onde o verso “Belle hideusement d’un ulcère à l’anus” é vertido como “Tem úlcera — que horror! — ao pé do fiofó”. As críticas foram endossadas por outros tradutores, como Jorio Dauster e Ivo Barroso.

— Entendo que o prêmio de tradução de 2010, concedido a uma obra que nada tem de plágio, mas que peca por falta de requisitos mínimos de qualidade tradutória, é um acinte. A ABL deu uma bofetada em público no ofício da tradução, perante toda a sociedade — diz Denise.
O prêmio de tradução da ABL, que confere R$ 50 mil ao vencedor, foi entregue desde 2003 a profissionais de renome, como Boris Schnaiderman, Eduardo Brandão e Bárbara Heliodora. Procurada pelo GLOBO, a ABL preferiu não comentar as críticas.

reproduzo abaixo outras opiniões.* sobre os sonetos de william shakespeare:
  • "notabilíssima tradução, "criação poética da mais alta qualidade", "meu caloroso aplauso" - mário gibson barbosa
  • "extraordinária façanha", "esplêndida versão" - ivan junqueira
  • "admiráveis traduções de shakespeare" - wilson martins
  • "primorosa tradução que o coloca entre os mais ... adestrados tradutores de shakespeare em nossa língua" - lêdo ivo
  • "ilustre tradutor ... inquieto e buscador ... lúcido e vário, nunca traditore" - nelson saldanha
  • "rememoremos suas traduções dos sonetos de shakespeare. não é fácil manter a métrica, o ritmo - como ele conseguiu", "trafega ..., com igual desenvoltura, pelo francês" - alvacir raposo
sobre pequenas traduções de grandes poetas:
  • "suas traduções não são 'pequenas', mas sim grandes obras. ... somente um poeta é capaz de fazê-lo - e um poeta que possua um profundo conhecimento da língua original" - mário gibson barbosa
  • "são traduções exemplares ... grande prazer estético" - sérgio paulo rouanet
  • "muitas vezes encontrei e encontro mais em suas traduções do que nos versos originais ... rara e muito valiosa contribuição à cultura, em nosso país" - jarbas maranhão
  • "suas 'pequenas traduções de grandes poetas' ... nada têm de pequenas" - anderson braga horta
  • "...'grandes poetas' que você traduziu, com tanta perícia e sensibilidade, para o nosso idioma" - ivan junqueira
  • "parabenizo-o pelo modo com que abraça a sua tarefa e não se dobra diante de cruciais desafios" - marco lucchesi
  • "dê-se por revogado o 'pequenas' da capa ... passando a ser ... 'grandes traduções de grandes poetas' por ser o trabalho de milton lins, em mais este livro, monumental" - josé paulo cavalcanti filho
  • "trabalho de ourivesaria e artesanato ... que muito honra e dignifica a cultura e a inteligência brasileiras" - murilo melo filho
  • "suas 'pequenas traduções' [III] atestam, mais uma vez, a sua perícia tradutória", com "renovada admiração" - ivan junqueira
* extraídas das orelhas e prefácios de pequenas traduções de grandes poetas II, III, IV.

acompanhe a controvérsia aqui.
.

6 comentários:

  1. Lendo os nomes que assinam os comentários acima penso que nesta questão das traduções do "seo" Milton parece que você adquiriu um pacote leve 2 e pague 1. No caso, leve uma tradução ruim e ganhe o direito de nunca mais confiar em uma orelha de livro ou comentário de quem quer que for. Mais do que o "seo" Milton, que reputação não tinha mesmo, neste processo quem perdeu mesmo foram alguns que a possuíam.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo20.7.10

    Os críticos tem razão. Nós é que somos cegos.

    Sonnet 26
    To thee I send this written embassage,
    To witness duty, not to show my wit.

    Escrita te remeto esta mensagem,
    Para testar tarefa, não ceder.

    34
    For no man well of such a salve can speak,
    That heals the wound, and cures not the disgrace:

    E para alguém parolear tu negues
    Pensar o ferimento em meu desgosto:

    72
    My name be buried where my body is,
    And live no more to shame nor me nor you.

    Meu nome enterrará meu corpo inteiro,
    Em nós toda vergonha é realidade.

    96
    How many lambs might the stern wolf betray,
    If like a lamb he could his looks translate!

    Quantas ovelhas vão trair o lobo, enfim,
    Como o cordeiro trai mudando o seu olhar!

    97
    How like a winter hath my absence been
    From thee, the pleasure of the fleeting year!

    Como foi neste inverno a minha ausência
    De ti, com que prazer o mês sumiu!

    107
    And thou in this shalt find thy monument,
    When tyrants’ crests and tombs of brass are spent.

    E tu encontrarás teu monumento,
    Se em tumba de tirano houver alento.

    ND

    ResponderExcluir
  3. Marcos21.7.10

    Só há uma coisa a dizer - e uma coisa basta - sobre tudo isso:

    se tirar nota zero, eu furo o céu...

    ResponderExcluir
  4. se furar o céu, eu tiro nota zero.

    ResponderExcluir
  5. Desculpem aí, mas seria bom colocar uma tradução adequada das frases abaixo, pois nem todos entendem inglês do século XVII ou francês (de qualquer século). Eu sou um desses...

    ResponderExcluir
  6. prezado ivan, o comentário acima de ND se tornou um post em http://naogostodeplagio.blogspot.com/2010/07/os-criticos-tem-razao.html

    lá, no comentário, coloquei uma tradução livre corrida e uma tradução em versos

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.