22 de jul de 2010

"os críticos têm razão"



já dei por encerrado o capítulo de demonstração do absurdo envolvendo a escolha da academia brasileira de letras da obra pequenas traduções de grandes poetas para o prêmio abl de tradução 2010.*

* aliás, pelo que eu soube, na cerimônia de entrega o prêmio foi atribuído ao "conjunto da obra" de milton lins.

mesmo assim, reproduzo aqui a recente contribuição que um leitor deixou no post a controvérsia, por se concentrar na tradução dos sonetos de shakespeare feita por milton lins, tão louvada por ivan junqueira, wilson martins, lêdo ivo e outros, conforme ilustrei no referido post.

pois a questão é, como diz o leitor: "Os críticos tem razão. Nós é que somos cegos".

Sonnet 26

To thee I send this written embassage,
To witness duty, not to show my wit.

Escrita te remeto esta mensagem,
Para testar tarefa, não ceder.

Sonnet 34

For no man well of such a salve can speak,
That heals the wound, and cures not the disgrace:

E para alguém parolear tu negues
Pensar o ferimento em meu desgosto:

Sonnet 72

My name be buried where my body is,
And live no more to shame nor me nor you.

Meu nome enterrará meu corpo inteiro,
Em nós toda vergonha é realidade.

Sonnet 96

How many lambs might the stern wolf betray,
If like a lamb he could his looks translate!

Quantas ovelhas vão trair o lobo, enfim,
Como o cordeiro trai mudando o seu olhar!

Sonnet 97

How like a winter hath my absence been
From thee, the pleasure of the fleeting year!

Como foi neste inverno a minha ausência
De ti, com que prazer o mês sumiu!

Sonnet 107

And thou in this shalt find thy monument,
When tyrants’ crests and tombs of brass are spent.

E tu encontrarás teu monumento,
Se em tumba de tirano houver alento.

.

8 comentários:

  1. para meu amigo thiago, que sempre me lembra de colocar pelo menos uma versão corrida, lá vai:

    [a ti envio esta mensagem escrita,/ para atestar respeito, não para mostrar meu engenho]

    [pois ninguém pode falar bem de um bálsamo/ que trate a ferida e não cure a desgraça]

    [seja meu nome enterrado com meu corpo,/ e não mais viva para envergonhar a mim ou a ti]

    [quantos cordeiros poderia o horrendo lobo enganar,/ se a aparência de um cordeiro pudesse adotar!]

    [quão invernal foi estar longe/ de ti, prazer do ano fugaz!]

    [e aqui encontrarás teu monumento,/ mesmo depois de gastos os brônzeos elmos e tumbas de tiranos.]


    a título de curiosidade, seguem as soluções de thereza christina da motta:

    A ti envio este pedido por escrito,
    Em testemunho do dever, não do meu talento;

    Pois nenhum homem poderá dizer uma oração
    Que cicatrize a ferida sem curar a desgraça.

    Meu nome seja enterrado com meu corpo,
    E deixe de viver para não vexar a mim nem a ti;

    Quantas ovelhas pode o astuto lobo enganar,
    Se na ovelha pudesse se transformar!

    Como o inverno, tornou-se minha ausência
    De ti, o prazer com que passou o ano!

    E tu, nisto, encontrarás teu monumento,
    Quando ruírem os túmulos de bronze dos tiranos.

    in http://154sonetos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. de novo a tumba...
    e nesses sonetos o seu milto foi fundo no exercício da arte de trocar as bolas, digo, da recriação poética.

    ResponderExcluir
  3. Acompanhei de perto todo o seu empenho em demonstrar o absurdo da premiação.
    Parabéns por trazer à tona algo que deveria ser do interesse de todos.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo23.7.10

    Acho que o autor exerce excelentemente a rima e a metrica sem comprometer o sentido do texto. Traduzir poesia nao colocar ao pe da letra todas as palavras de uma lingua para outra. O premio foi merecido. Em 2011 qualquer um de voces pode enviar suas obras e ser agraciado com o premio de traducao da ABL. Boa sorte!

    ResponderExcluir
  5. prezado anônimo, traduzir poesia tampouco é simplesmente exercer rima e métrica.
    quanto a concorrer na abl em 2011, infelizmente não será possível, pois o sistema de premiação na casa de machado de assis é por indicação e não por inscrição. aliás, nada tenho contra o sistema de indicação, desde que seus critérios possam ser expostos publicamente e não se baseiem apenas em motivações pessoais de quem faz as indicações.

    em todo caso, agradeço a sugestão. se vc a encaminhar à abl, quem sabe os imortais se disponham a aceitar inscrições. quiçá o processo, neste caso, tivesse chance de ganhar maior transparência, não concorda?

    ResponderExcluir
  6. mesmo q fossem aceitas inscrições, a premiação da abl seria norteada pelo princípio das cartas marcadas.

    ResponderExcluir
  7. o tal anônimo disse q o seu milto não compromete o sentido do texto. mas e.g. no caso da tradução do soneto 96, as "ovelhas" é q poderiam "trair" o lobo (se tivessem o olhar astuto do "cordeiro"), e não o contrário...
    confesso q meu inglês não é o bicho, mas acho q entendi o original e não captei o sentido da tradução.
    enfim, de q valeu ter respeitado o esquema rímico?
    outra coisa: a métrica é a parte "burocrática" da poesia.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo4.8.10

    não tinha acompanhado esse post.

    "meu nome enterrará meu corpo inteiro,
    em nós toda vergonha é realidade"
    consegue ser uma das maiores pérolas.

    também não acompanhei outros posts para saber se houve alguma manifestação da abdl sobre o caso depois da sua publicação no blog.

    cômico seria se...

    rogério bettoni

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.