14 de jul de 2010

as asas ligeiras da poesia




voici l'heure où tombe le voile
qui, le jour, cache mes ennuis

eis a hora em que se extingue a vela
que o dia esconde os meus pernoites

[eis a hora em que cai o véu/ que de dia esconde meus desgostos]

oh! oui, c'est une amère joie
que de se jeter un moment,
comme une volontaire proie,
dans les serres de son tourment

sim, é amarga uma alegria,
de se jogar por um momento
como uma presa que se cria
por sobre as serras do tormento

[oh! sim, é amarga alegria/ lançar-se um momento,/ como presa voluntária,/ nas garras de seu tormento]

mme de girardin, la nuit, trad. milton lins, pequenas traduções II, pp. 219 e 221


Um comentário:

  1. Anônimo14.7.10

    Olá Denise,

    Parabéns pelos posts sobre a marmelada da ABL.
    []s
    Jorge

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.