28 de ago de 2009

tiririca, guanxuma, grama-seda

dou aqui continuidade ao tema levantado em mala herba.

a germinal é uma pequena editora, criada em 1997 pelo advogado, sociólogo e jornalista wilson hilário borges em sociedade com a jornalista vera lúcia rodrigues. wilson hilário borges faleceu em 2002, e a germinal continua suas atividades sob a responsabilidade da referida jornalista.

o catálogo da germinal cadastrado na fbn consta de 33 títulos, entre eles quinze obras traduzidas. são elas, com os respectivos nomes que assinam as traduções:

arthur koestler, ladrões na noite (juliana borges)
arthur koestler, o iogue e o comissário (não descobri)
arthur koestler, chegada e partida (juliana borges)
saul bellow, a vítima (juliana borges)
james agee, morte na família (juliana borges)
isaac b. singer, o escravo (juliana borges)
gustave glotz, história econômica da grécia (vera lúcia rodrigues)
ivan goncharov, oblomov (juliana borges)
ignazio silone, a semente sob a neve (wilson hilário borges)
sinclair lewis, o nobre senhor kingsblood (juliana borges)
hermann broch, os sonâmbulos (wilson hilário borges)
g. k. chesterton, o homem que foi quinta-feira (vera lúcia rodrigues)
d. h. lawrence, mulheres apaixonadas (felipe padula borges)
fenimore cooper, o último dos moicanos (vera lúcia rodrigues)
gustave flaubert, salambô (não descobri)
luigi pirandello, a excluída (wilson hilário borges)

como se vê, a equipe de tradução é de perfil familiar: além de wilson hilário borges, assinam as traduções sua filha juliana borges, sua companheira vera lúcia rodrigues e seu sobrinho felipe padula borges.

de acordo com o site da empresa, atualmente o catálogo da germinal conta com apenas 25 títulos, entre eles 12 das obras de tradução acima citadas.




o escândalo dos plágios de tradução praticados pela germinal veio à tona em 2004, pelo jornal opção de goiânia e a folha de s.paulo.


imagem: http://writista.wordpress.com/

2 comentários:

  1. Prezados,

    outro dia lendo o quase esquecido mestre José Caldas em seu "A corja negra" livro que delata palavra por palavra a farsa do jesuita Francisco Rodrigues, álias o subtítulo é: 'tosquia de um charlatão', digo, lendo o referido livro de 1914, foi inevitável lembrar de vocês, passei aqui só para fazer a referência. abraço não plagiado.

    ResponderExcluir
  2. que ótima referência! a corja negra é bom, hm. não conheço, vou procurar, obg pela lembrança!
    e tosquia de um charlatão tb é bacaninha :)

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.