13 de jun de 2009

o gato brasileiro, poe IV

outro dia apresentei aqui um cotejo brenno silveira x pietro nassetti d'o gato preto de edgar allan poe. para dar um pouco de contraste, acrescentei os trechos das traduções de oscar mendes/ milton amado e de guilherme braga.

como uma coisa leva a outra, isso acabou me despertando a curiosidade: quais seriam outras traduções de o gato preto no brasil?

the black cat no brasil
edgar allan poe escreveu the black cat no final de 1842 ou começo de 1843. o conto foi publicado no saturday evening post, na edição de 19 de agosto de 1843. em 1845, the black cat foi incluído na coletânea tales, publicada por wiley & putnam, nova york.*

* para referências sobre vida e obra de poe, ver o excelente site the edgar allan poe society of baltimore.

o conto aparece em sua primeira tradução brasileira em 1944,* e tem conhecido várias outras traduções e adaptações ao longo desses 65 anos.

* atualização em 31/01/10: esta é uma questão complicada, que em breve abordarei com maiores detalhes. existe uma edição de 1903, pela h. garnier, estampando na página de rosto "traducção brasileira". mas tendo a crer que, em verdade, trata-se de uma reprodução não autorizada da tradução de mécia mouzinho alburquerque.

arrolo abaixo os nomes dos tradutores e adaptadores, as editoras e o ano da primeira edição que consegui localizar.

a partir do original em inglês:
- oscar mendes e milton amado, pela globo, 1944, josé aguilar, nova aguilar e nova fronteira;
- aurélio lacerda, pela pinguim, 1947;
- frederico dos reis coutinho, pela vecchi, 1954;
- anônimo, pela tecnoprint, 1954;
- josé paulo paes, pela cultrix, 1958, e companhia das letras;
- brenno silveira, pela civilização brasileira, 1959, círculo do livro, abril cultural, edibolso e nova cultural;
- aldo della nina, pela saraiva, 1961;
- joão teixeira de paula, ordibra/inl sob licença do clube do livro, 1972;
- clarice lispector, pela tecnoprint e ediouro, c. 1975;
- renato guimarães, pela civilização brasileira, 1978;
- josé rubens siqueira, pela ática, 1993;
- geraldo galvão ferraz, pela ática, 1998;
- celso mauro paciornik, pela iluminuras, 2001;
- william lagos, pela lpm, 2002;
- bernardo carvalho, pela cosac & naify, 2004;
- rodrigo espinosa cabral, pela rideel, 2005;
- celina portocarrero, pela ediouro, 2007;
- ricardo gouveia, pela scipione, 2007;
- guilherme braga, pela hedra, 2008.

atualizado em 31/01/10: há também a tradução de william lagos, pela lpm, 2002. ver mais um gato. há o cadastro de uma tradução em nome de "henry dualib", pela germape, 2005, mas não vi o exemplar. há ainda a edição da cedic, de tradução anônima, 2008.
por interposição:- annunziata capasso de filippis, pela newton compton, 1995 (do italiano, sem indicação);
- pietro nassetti, pela martin claret, 1999 (do português, sem indicação);
- cláudia ortiz, pela escala/larousse, 2005 (do francês, com indicação);
- antonio carlos vilela, pela melhoramentos, 2006 (do espanhol, com indicação).

as traduções, em sua grande maioria, trazem o título o gato preto. as exceções são o mistério do gato preto (tradução anônima, tecnoprint, 1954), o gato negro (josé rubens siqueira) e gato negro (rodrigo espinosa cabral). menciono ainda a tradução portuguesa de luísa feijó, que recebeu uma edição brasileira pela ed. américa do sul (lord cochrane, 1988): o gato negro.

curiosidades:

- o gato preto ganha sua primeira edição brasileira em 1926, pela annuario do brasil, numa coletânea chamada contos de edgard poe, na tradução portuguesa de januário leite, que, até onde sei, é a primeira tradução em língua portuguesa feita diretamente do inglês. [a edição de 1903, pela h. garnier, em suposta "tradução brasileira", não passa de mera contrafação da edição abaixo especificada.]

- a primeira tradução de the black cat para a língua portuguesa aparentemente é a de mécia mouzinho de albuquerque, por interposição do francês, publicada pela companhia nacional, lisboa, em 1889.

agradeço a joana canêdo, saulo von randow jr. e carlos daghlian por várias indicações preciosas.
 imagem: http://www.overmundo.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.