29 de abr de 2009

maquiavel, lívio xavier

sobre a abundância de edições de o príncipe de maquiavel, veja aqui o que foi localizado agora:
- 58 edições diferentes
- 33 traduções diferentes (em princípio), sem contar a de carlos eduardo soveral, por ser portuguesa
- 6 edições cujo tradutor não descobri

a tradução mais reproduzida é a de lívio xavier, em 11 editoras ou selos editoriais diferentes, em inúmeras e sucessivas reedições: abril cultural, agir, atena, ediouro, edipro, escala, fundação para a leitura do cego, nova cultural (até 1999), pocket ouro, prestígio e tecnoprint.

agir, ediouro, pocket ouro, prestígio e tecnoprint fazem parte do mesmo grupo, a ediouro. a atena fechou. a abril cultural fechou. a nova cultural trocou a tradução de lívio xavier por uma de olívia bauduh. (sobre olívias bauduhs e trocas na nova cultural, já vimos o caso dos pensamentos de pascal - talvez seja algo na mesma linha.) a escala até 2008 publicava a tradução de o príncipe em nome de ciro mioranza. parece que em 2009 resolveu adotar a de lívio xavier.

resumindo: atualmente, a tradução de lívio xavier circula pela ediouro, pela edipro, pela escala e em braille. ainda é a mais difundida e certamente serve de base ou de consulta para outras traduções.

é também a obra que introduziu maquiavel pela primeira vez no brasil. traz em apêndice a famosa carta de maquiavel a vettori, e vem com prefácio e notas do tradutor. ignoro o ano em que foi lançada pela atena editora. sei que a segunda edição é de 1944. tenho a terceira edição, de 1948. então, aplicando ao reverso esse intervalo de 4 anos, vou considerar 1940 como data hipotética da inaugural arribada maquiavelina in terra brasilis.*

* agradeceria muito se alguém soubesse me informar a data exata dessa primeira edição.

é um contexto bem interessante, em plena ditadura estadonovista, com uma razoável influência ideológica do fascismo, época da segunda guerra mundial. lívio barreto xavier, nascido em 1900 no ceará, formado em direito no rio de janeiro, teve intensa militância política desde 1925, data em que ingressou no partido comunista brasileiro. em 1929 foi expulso do partido, por divergências de fundo com a linha dominante de perfil nacionalista, sob astrojildo pereira. em 1931 mudou-se para são paulo, criando com mário pedrosa, aristides lobo, benjamin péret, a primeira organização trotskista brasileira. sob a forte repressão da ditadura vargas e o peso das divergências internas do trotskismo brasileiro, acabou se afastando da política militante em 1935, dedicando-se à tradução, à crítica literária e ao jornalismo cultural. morreu em 1988.

lívio xavier traduziu muito. seu nome faz parte do panteão dos tradutores que colocaram as obras do pensamento universal ao alcance dos brasileiros. tinha escrita fluente, elegante e mordaz. deixou sua marca entre a intelectualidade brasileira. seu texto esboço de uma análise da situação econômica e social do brasil (1930), em parceria com mário pedrosa, é tido como a primeira análise marxista, séria e consistente, sobre o país. autor também de nosso patrimônio cultural, tempestade sobre a ásia: a luta pela manchúria (com o pseudônimo de l. mantsô), infância na granja, o elmo de mambrino (que lhe valeu o prêmio jabuti de 1976, na categoria de estudos literários). como poeta bissexto, deixou uma coletânea de dez poemas de lívio xavier ilustrados por noêmia mourão. seu acervo se encontra no cedem, centro de documentação e memória, da unesp.

entre suas traduções incluem-se:

benjamin farrington, a ciência grega, e o que significa para nós (com joão cunha andrade)
edgar a. poe, o poço e o pêndulo
gandhi, memórias de gandhi
hegel, enciclopédia das ciências filosóficas (3 vol.) - aqui também trata-se da primeira tradução de uma obra integral de hegel no brasil (1936)
kropotkin, em torno de uma vida - memórias de um revolucionário (com berenice xavier)
maquiavel, carta a vettori
maquiavel, escritos políticos
maquiavel, o príncipe
rené wellek, história da crítica moderna
roger gal, história da educação
rosa luxemburgo, reforma ou revolução
rosa luxemburgo, reforma, revisionismo e oportunismo
spinoza, ética
trotsky, minha vida
trotsky, terrorismo e comunismo

imagem: http://cronologia.leonardo.it

atualização em 12/2/2013:  o príncipe em tradução de lívio xavier saiu em 1933 pela editora unitas, passando a ser publicada pela athena a partir de c.1938.


atualização em 24/5/13: agradeço a dainis karepovs pela imagem de capa.

2 comentários:

  1. Gostei do Livio. Nào tão prolífico como o Nassetti. Mas um cara batuta.

    Joana

    ResponderExcluir
  2. Denise, só uma correção. Os livros "reforma ou revolução" e "reforma, revisionismo e oportunismo" da Rosa Luxemburgo, são na verdade o mesmo. A única diferença é que o segundo inclui alguns textos em anexo.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.