11 de fev de 2009

o contexto II

continuando.

I. sobre os autores e a ordem das obras
os quarenta autores publicados na coleção os pensadores da nova cultural (2004-2005) foram selecionados entre os 114 autores da coleção original da abril cultural.

na programação inicial da nc, que previa apenas 20 volumes, os autores foram escolhidos entre os 58 autores dos 35 volumes iniciais da coleção da abril cultural (sem contar os pré-socráticos, que são quinze). o critério de ordenamento é claramente cronológico, e segue o mesmo recorte temporal da coleção de 1972-75. claro que sempre se pode indagar dos critérios empregados para incluir uns e excluir outros, mas não é disso que se trata.

com a ampliação do projeto para 40 volumes, fica evidente que, a partir do vigésimo-primeiro volume, teve-se por bem abandonar o critério de ordenamento cronológico. mas não consegui discernir com clareza qual teria sido o critério que veio a substituí-lo: rousseau de cambulhada entre pavlov e husserl, santo anselmo se sucedendo a heidegger, a coleção se encerrando com os pré-socráticos seguidos de montesquieu.

II. sobre os títulos
quanto ao conteúdo propriamente dito das obras, não comparei todas elas. mas, até onde vi, corresponde ao das edições selecionadas entre a coleção original - salvo as seguintes exceções:

- platão
a. abril cultural:
diálogos: o banquete, fédon, sofista, político
b. nova cultural:
diálogos: eutífron, apologia de sócrates*, críton, fédon
* cabe notar que há a repetição da apologia, que já estava no volume 1 (sócrates) da nova cultural

- platão II
a. abril cultural:
----
b. nova cultural:
a república (a título de brinde, acompanhando platão I)

- aristóteles
a. abril cultural:
(vol. I) tópicos, dos argumentos sofísticos; (vol. II) metafísica. ética a nicômaco, poética
b. nova cultural:
poética, organon, política, constituição de atenas (volume único)

III. sobre as traduções
quanto às traduções usadas pela abril cultural, várias foram publicadas sob licença de outras editoras, devidamente creditadas, e muitas outras foram feitas expressamente para a coleção, idem.

comparei a lista das traduções dos títulos comuns às duas coleções. em sua maioria, são as mesmas, mas com uma ressalva: em casos de traduções licenciadas de outras editoras, não há qualquer menção à licença e tampouco a seus nomes como detentoras dos direitos de publicação (em outros termos, se não for simples desleixo, essa omissão parece talvez indicar contrafação ou reprodução não-autorizada). já nos casos das traduções feitas para a antiga coleção da abril cultural, consta "direitos exclusivos sobre as traduções deste volume: editora nova cultural ltda."
eu disse acima: "em sua maioria, são as mesmas". as exceções são as seguintes:

- sócrates
a. abril cultural:
platão, defesa de sócrates (jaime bruna)
xenofonte, ditos e feitos memoráveis de sócrates (líbero rangel de andrade)
xenofonte, apologia de sócrates (líbero rangel de andrade)
b. nova cultural:
platão, apologia de sócrates (enrico corvisieri)
xenofonte, ditos e feitos memoráveis de sócrates (mirtes coscodai)
xenofonte, apologia de sócrates (ambíguo: consta mirtes coscodai na página de rosto e não consta no começo da obra)

- aristóteles
a. abril cultural:
poética (eudoro de souza)
b. nova cultural:
poética (baby abrão)

- maquiavel
a. abril cultural:
o príncipe (lívio xavier)
escritos políticos (lívio xavier)
b. nova cultural:
o príncipe (olívia bauduh)
escritos políticos (olívia bauduh)

- descartes
a. abril cultural:
discurso do método (jacó guinsburg e bento prado jr.)
meditações (jacó guinsburg e bento prado jr.)
paixões da alma (jacó guinsburg e bento prado jr.)
b. nova cultural:
discurso do método (enrico corvisieri)
meditações (enrico corvisieri)
paixões da alma (enrico corvisieri)

- pascal
a. abril cultural:
pensamentos (sérgio milliet)
b. nova cultural:
pensamentos (olívia bauduh)

IV. sobre as traduções dos títulos novos
quanto às sete obras que não constavam na coleção da abril cultural, e foram introduzidas na coleção da nova cultural, as respectivas traduções são de:

platão, eutífron: ambíguo - enrico corvisieri/ não consta
platão, críton: ambíguo - enrico corvisieri/ não consta
platão, fédon: ambíguo - enrico corvisieri/ não consta
platão, a república: enrico corvisieri
aristóteles, organon: pinharanda gomes
aristóteles, política: baby abrão e therezinha deutsch
aristóteles, constituição de atenas: therezinha deutsch

V. resumindo
há, portanto, 17 obras publicadas na coleção os pensadores da nova cultural que não constavam ou constavam em outras traduções na coleção original da abril cultural.

entre as traduções dessas 17 obras:
- pinharanda gomes é um estudioso português, cuja tradução do organon teve sua primeira edição em 1985, pela guimarães. aparentemente a nova cultural teria comprado os direitos da guimarães, pois afirma ser a detentora dos "direitos exclusivos sobre as traduções deste volume" de aristóteles. mas tenho algumas dúvidas, e acharia mais provável que se trate de uma contrafação, visto que organon de pinharanda gomes continua ativo no catálogo da guimarães.
- 12/16 obras aparecem em novas traduções.
- 4/0 obras não mencionam os créditos de tradução.

sobre elas pretendo me debruçar um pouco nos próximos dias.

imagem: lugardoconhecimento.wordpress.com

4 comentários:

  1. Bruce Torres6.6.12

    Olá, Denise, tudo bom? Se não for incômodo, gostaria que você me ajudasse a resolver o seguinte problema: usei a obra "Poética", do Aristóteles, em meu TCC, mas não consegui chegar à conclusão de a tradução de Baby Abrão ser de fato original ou alterada. Contudo, tenho disponível em casa a tradução do Jaime Bruna também. Você me aconselharia a trocar uma pela outra, tendo eu usado a da Abrão? Obrigado pela atenção e até!

    ResponderExcluir
  2. olá, bruce, acho que não custa dar uma olhada também na de bruna. sempre é interessante comparar traduções: acaba enriquecendo o entendimento da obra.

    ResponderExcluir
  3. Josias Maciel31.7.15

    Oi, Denise! Eureka! Descobri de quem "Enrico Corvisieri" plagiou a tradução de "A República" publicada pela Nova Cultural: Jacob Guinsburg, cuja tradução foi originalmente publicada pela DIFEL e depois pela Perspectiva.

    ResponderExcluir
  4. Josias Maciel12.8.15

    Na verdade, o plágio é apenas da versão publicada pela DIFEL. A tradução publicada pela Perspectiva foi profundamente alterada pelo próprio J. Guinsburg, não sendo esta última a usada por "Enrico Corvisieri".

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.