9 de jan de 2009

errata pública?

jornal o globo, 21 de dezembro de 2008.
(clique na imagem para ampliar)

aquele quadradinho em baixo à esquerda pretende ser a errata pública da nova (in)cultural quanto ao plágio da tradução de o vermelho e o negro. ela tinha publicado a obra algumas vezes, atribuindo a tradução a maria cristina figueiredo da silva. na verdade, era uma apropriação indevida da tradução de luiz costa lima, publicada pela bruguera.

afora que mais parece o anúncio de algum alvará da cetesb, fico me indagando como é que o povo vai se sentir suficientemente alertado sobre a retificação. afinal, foram bem uns 150 mil exemplares que foram vendidos a nós papalvos leitores, além dos distribuídos pela editora e pelo instituto ecofuturo entre escolas públicas e bibliotecas comunitárias.

vocês acham que alguma biblioteca vai ver isso e corrigir os créditos em seus exemplares?

4 comentários:

  1. Anônimo9.1.09

    Equívoco? Seria equivoco se não fosse de caso pensado. Será que é pedir demais que a porquice seja limpa?

    RBettoni

    ResponderExcluir
  2. Não, não vai. Nem vai pagar o que deve ao tradutor.

    Assim como ninguém vai boicotar o show anunciado no quadrado ao lado (desculpe, tive de ler tb.) pelos acentos de crase malpostos.

    ResponderExcluir
  3. prezada letícia, na verdade luiz costa lima foi indenizado, sim. o acordo saiu no final de dezembro. isso porque ele está vivo (é um dos poucos lesados em vida) e porque entrou com advogado, dr. marco túlio weikers. já os descendentes é que se mexem menos (reclamei disso no post "contra o indiferentismo")

    a notícia da indenização para este caso do costa lima está em "o bom combate".

    a indenização do hernâni donato, referente ao plágio de a divina comédia, deve sair agora em janeiro.

    e os leitores, as escolas, as bibliotecas, o patrimônio cultural? estes, sim, ficam a ver navios...

    ResponderExcluir
  4. Opa, menos mal, então. Mas os leitores...

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.