6 de ago de 2008


a martin claret passou anos atribuindo a seus indefectíveis jeans melvilles e pietros nassettis umas colchas de retalhos de shakespeare, com vastos remendos de oscar mendes/cunha medeiros, alguns elementos decorativos de bárbara heliodora e até uns pespontos coloridos de onestaldo de pennafort.*

aí, de uma hora para outra, a claret passou a publicar as consagradésimas traduções de carlos alberto nunes, antigamente editadas pela melhoramentos e depois, e até o momento, sempre pela ediouro.

terá havido algum contrato de cessão ou sublicenciamento dos direitos de tradução? e, se não, estará a ediouro correndo atrás do lesa-lesa?

* a quem se interessar pelo assunto, existe uma dissertação de mestrado muito meticulosa, escrita por márcia paredes nunes, letras, puc-rj, 2007, com cotejos detalhados das várias traduções.

imagem: http://respectance.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.