13 de abr de 2008

palimpsesto VI

Uma sombra inundava a grande mancha vermelha do pano; e nem um ruído chegava da cena, estando a ribalta às escuras e as estantes dos músicos esbandalhadas.

émile zola, naná, tradução de eugênio vieira
(atribuída a roberto valeriano pela nova cultural)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.