10 de abr de 2008

ka

eu tinha ka; nos dias da branca china, eva, descendo na neve do balão de andré, ouvindo a voz "vai!", deixados nas neves esquimós os rastros dos pés nus, - esperança - estranharia, ao ouvir esta palavra.

khlébnikov, ka, trad. aurora bernardini


beketchai

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.